Fundação Dom Cabral

 

 
Outubro 16
​25% da startups brasileiras "morrem" em menos de um ano, revela estudo da FDC
Pesquisa inédita consultou 221 startups e seus fundadores para investigar  as causas da descontinuidade dessas empresas no Brasil
 
A Fundação Dom Cabral divulgou, na semana passada, os resultados da pesquisa Causas da Mortalidade de Startups Brasileiras, que investigou os motivos pelos quais essas empresas – embrionárias e de forte propósito inovador – acabam encerrando suas atividades precocemente. O estudo consultou os fundadores de 221 startups – 130 em operação e 91 já descontinuadas -, com foco na análise do empreendedor, das características das startups e do seu ambiente de negócios. 

O estudo revela que 25% das startups ‘morrem’ antes do 1º ano de vida; e a metade delas, em menos de 4 anos. Três fatores explicam essa alta taxa de descontinuidade das empresas. O primeiro é o número de sócios: a cada sócio a mais que trabalha em tempo integral na empresa, a chance de descontinuidade da startup aumenta em 1,24 vez. Ou seja, quanto mais fundadores à frente da startup, maiores as suas chances de ‘morrer’. “Muitas vezes, os interesses pessoais e profissionais dos sócios não convergem, resultando em problemas de relacionamento, além da incapacidade de adaptação de muitos deles às necessidades e mudanças do mercado”, pontua o coordenador do Núcleo de Inovação da Fundação Dom Cabral, Carlos Arruda, responsável pela pesquisa. 

Outro fator avaliado é o volume de capital investido na startup antes do início das vendas. Três situações foram consideradas: empresas que, antes de faturar, dispunham de capital suficiente para manter seus custos operacionais por um mês; ou pelo período de 2 meses a um ano; ou por mais de um ano. A pesquisa mostra que o cenário mais preocupante é o de startups cujo capital investido cobre os custos operacionais pelo período de 2 meses a um ano – elas são 3,2 vezes mais suscetíveis de desaparecer do que as companhias com capital suficiente para cobrir os custos por um mês e 2,5 vezes mais suscetíveis do que as com capital para cobrir os custos por mais de um ano de operação. “Investir uma grande quantidade de recursos na startup antes de ela começar a faturar aumenta as chances de insucesso e indica que, para essas empresas, o melhor é ter foco na realidade do mercado. Quando o produto ou serviço atende às demandas reais, o caminho para a venda é mais curto e o negócio pode ser viabilizado com o capital dos próprios clientes”, explica Arruda.

O terceiro fator para avaliar as causas da ‘mortalidade’ das startups no Brasil é o local de instalação. Quando a empresa está em uma aceleradora, incubadora ou parque, a chance de descontinuidade da empresa é 3,45 vezes menor em relação às startups instaladas em escritório próprio ou sala/loja alugada. A pesquisa mostra, ainda, o padrão de instalação das startups nos Estados brasileiros. No Rio Grande do Sul e Pernambuco, elas tendem a se instalar em incubadoras, aceleradoras e parques; em São Paulo e Paraná, é mais comum a prática do home-office, coworking e escritório virtual; no Rio de Janeiro e Minas Gerais, predomina a instalação da empresa em escritório próprio ou sala alugada. “Startups inseridas em incubadores, aceleradoras ou parques tecnológicos têm mais chances de sobreviver, pois oferecem o tempo necessário para que as empresas alavanquem seus negócios sem ter os custos de um espaço próprio, além de contribuir com incentivos educacionais, financeiros e de relacionamento”, destaca Carlos Arruda, da Fundação Dom Cabral. 

Segundo o professor, o intuito da pesquisa foi gerar conhecimento a partir dos erros de quem já empreendeu, “fornecendo análises e subsídios para que as startups se estabeleçam com mais segurança e potencializem suas chances de sobrevivência.”

Percepção dos empreendedores
A pesquisa Causas da Mortalidade de Startups Brasileiras também investigou a percepção dos fundadores quanto aos fatores fundamentais que levam à descontinuidade ou à sobrevivência das startups. O estudo comparou a opinião dos fundadores de startups ainda em operação sobre os fatores mais importantes para a sobrevivência da empresa e a dos empreendedores com startups descontinuadas sobre os fatores que mais contribuíram para isso, resultando no seguinte quadro comparativo: 

 

Comentários

Re: ​25% da startups brasileiras "morrem" em menos de um ano, revela estudo da FDC

25% no primeiro ano nao é uma taxa alta. Interessante que os 3 fatores mencionados nao coincidem com o fator de mortalidade de pequenos negocios no pais que tem 4 x mais pequenos negocios do que o Brasil. Nos EEUU 50% acabam no primeiro e a causa principal é a má gestão. Verdade que má gestão é resultado de várias causas combinadas, mas planejamento inapropriado, cash flow inadequado e negligencia das necessidades do cliente são fulminantes no processo de fechamento.
Jose Chvaicer em  04/11/2014 10:37

Adicionar Comentários

Nome *


Email *


Telefone


Comentário *


Validar *

 

Anexos

* Campo obrigatório

Assuntos Relacionados

BuscaPé: do empreendedorismo à inovação aberta.

Criado no boom da internet por três estudantes universitários, o BuscaPé é uma empresa brasileira de comparação de preços e outras informaçõ...

O Ecossistema Empreendedor Brasileiro de Startups

​Empresas startups de alto-impacto tendem a aumentar suas chances de sucesso quando inseridas em um ecossistema empreendedor que estimula o ...
 

 Busca

 

Arquivos de posts

X

Encontre um programa

Tema



















Localidade

Duração

Nível Hierárquico

Acompanhe nas redes